Miguel Torga – Conferência por Clara Rocha

O elemento da CA,  Leocádia Oliveira, leu o poema que Miguel Torga escreveu no nascimento da filha, Clara Rocha.

Poema Nascimento de Miguel Torga

NASCIMENTO

Nascem os homens como deuses pobres:

Nus e de um ventre que desesperou

De os guardar

Sagrados e secretos no seu lago.

Nascem disformes, sem nenhum afago

Da raiva desabrida que os expulsa

E das mãos aterradas que os recebem.

Bebem

O ar do mundo aos gritos.

Olham sem ver, e são

Surdos e transitórios mitos

Da nossa devoção.

Algumas imagens da conferência:

252485_225931707534256_1616995222_n

377285_225931697534257_2022829172_n (1)

Anúncios

Miguel Torga recordado pela filha Clara Rocha

A primeira atividade do ano 2012-2013 recordou Miguel Torga.

Clara Rocha foi apresentada pela presidente da Comissão Administrativa, Margarida de Sousa:

“Em nome da CA gostaria de desejar as boas-vindas a todas e todos e manifestar o grande prazer de recebermos em Évora a Professora Doutora Clara Rocha  a quem agradecemos do fundo do coração ter aceite o nosso convite.

Com a sua presença quisemos marcar o começo das actividades deste novo ano que se anuncia agreste, em tons escuros e conturbados. Quisemos tê-la connosco porque, no próximo dia 5 de Outubro, que ao que parece será pela última vez feriado, vamos na rota dos escritores visitar, entre outros locais, S. Martinho da Anta. E também, por que não dizê-lo, porque MT sempre manifestou o que tanta falta nos faz actualmente: rebeldia contra as injustiças e incoformismo diante dos abusos do poder.

Clara Crabbé Rocha é professora catedrática aposentada da Universidade Nova de Lisboa e tem dedicado a sua actividade académica ao estudo da Literatura Portuguesa do século XX. Doutorou-se em 1985, na Universidade de Coimbra, com uma dissertação intitulada Revistas Literárias do Século XX em Portugal, editada no mesmo ano. Publicou, além desse, os seguintes livros: O Espaço Autobiográfico em Miguel Torga (1977), Os “Contos Exemplares” de Sophia de Mello Breyner (1978), O Essencial sobre Mário de Sá-Carneiro (1985), Máscaras de Narciso (1992), Miguel Torga – Fotobiografia (2000) e O Cachimbo de António Nobre e Outros Ensaios (2003).

Este último foi distinguido com o Prémio de Ensaio do PEN Clube e com o Grande Prémio de Ensaio 2003 da A.P.E. Autora de vários prefácios, tem colaborado com artigos de crítica literária em revistas e jornais, como JL, Cadernos de Literatura, Colóquio/Letras, Vértice, Letras & Letras, Nova Renascença, Prelo, O Escritor, Letra Internacional e Rivista di Studi Portoghesi e Brasiliani, em dicionários de Literatura e em volumes científicos internacionais. Foi professora convidada na Sorbonne em 2004. Em 2011 co-organizou o livro Literatura e Cidadania no Século XX e publicou a antologia A Caneta que Escreve e a que Prescreve, organizada com a colaboração de Teresa Jorge Ferreira. Orientou diversas teses de Mestrado e de doutoramento, e participou em mais de oitenta júris de provas e concursos académicos. As suas principais áreas de investigação são as revistas literárias, a literatura autobiográfica e a poesia portuguesa do século XX.

Mas hoje Clara Rocha vem-nos falar, de seu pai, homem de estatura ímpar quer nas letras quer na polis.”

Antes de ouvi-la, ousaremos ler um poema do autor,  escrito pelo pai aquando do nascimento da filha.