palavras, sons, olhares…

Irei a Évora, poema de Manuel Alegre

Irei a Évora

descobrir o branco,

a ogiva,

o arco,

a rosácea

o nome

a praça como pátio,

o pátio como praça

nada destrói a intimidade

de sua humana geometria

Irei a Évora

para reencontrar

a perdida harmonia…

Este belo poema inspirou o compositor Amílcar Vasques-Dias,
a que se juntou a voz expressiva de Cláudia Pinto e resultou numa bela canção a Évora.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s